Movimento das Mulheres da CNTC

Ilustração: Luda Lima
Ilustração: Luda Lima

Em 2010, a CNTC criou a Coordenadoria da Mulher da CNTC, órgão interno, com representação nacional, cuja finalidade é desenvolver estratégias e ações voltadas às mulheres trabalhadoras da categoria.

Dentre os desafios da Coordenadoria destaca-se promover a conscientização das mulheres no meio sindical e das trabalhadoras do comércio e serviços do nosso país, combater e denunciar a discriminação ou a violência contra as mulheres no mercado de trabalho, ampliar a participação da mulher nos cargos decisórios do meio sindical e nos cargos públicos em todas as instâncias.

A partir dos anos 70, a emancipação da mulher deu fôlego a diversas quebras de paradigmas com consequentes garantias legais e conquistas no mundo do trabalho para elas. Para superar os obstáculos culturais de uma sociedade machista as mulheres precisaram lutar muito, demonstrando, na prática, sua capacidade de liderança para que pudessem galgar cargos estratégicos nas organizações e na vida pública.

Mais que reconhecer a capacidade gerencial da mulher, a sociedade passou a respeitar o conjunto de habilidades que ela agrega ao sistema organizacional, típicos da formação e da alma feminina. Ela trabalha naturalmente com a diversidade e processos multifuncionais e sua sensibilidade doa ao trabalho uma visão de diversidade e heterogeneidade. Equipes gerenciadas por mulheres tendem a agir de forma sinérgica e criativa para solucionar problemas e desafios.

No entanto, vale ressaltar que a emancipação da mulher não vem acontecendo facilmente. A defesa da identidade feminina e a superação das desigualdades de gênero são ainda lutas constantes no enfrentamento de séculos de domínio masculino, onde o papel da mulher na sociedade era limitado ao cuidado da casa e da família. Também resiste na sociedade a discriminação, o assédio moral e sexual, a violência e descaso com as peculiaridades da mulher no mercado de trabalho. A maioria das leis não considera a tripla jornada da mulher, como trabalhadora, mãe e dona de casa. A extensa pauta de projetos e reivindicações das trabalhadoras brasileiras comprova isso.

A Coordenadoria da Mulher cresceu e se firmou como fundamental organização de representatividade da mulher. Em 2015 se transformou em Diretoria de Políticas para as Mulheres e em fevereiro de 2016 Maria Bernadete Lira Lieuthier tomou posse como a primeira diretora de Políticas para as Mulheres da CNTC.